demagogia corporativa

DemagogiaImagine que você está indo fazer uma entrevista de emprego em uma grande empresa e, ao passar pela recepção, depara-se com uma pessoa em um terno impecável, varrendo o chão com aquele belíssimo esfregão amarelo e um balde com desinfetante.

Curioso com a cena, você pergunta ao entrevistador quem era aquele senhor.

– É o nosso CEO, responde ele. Ele acredita que liderar é por a mão na massa.

Esta é a essência do quê está retratado na imagem ao lado. E se você continua achando que trabalhar nesta empresa pode ser uma boa ideia, é bom você repensar quais são os valores ilustrados pela cena.

Em primeiro lugar, não cabe ao líder fazer o que todos os outros fazem. Não é para isto que ele ocupa o cargo. Toda empresa precisa de alguém que aponte o caminho, que tome decisões importantes e que, de certa forma, inspire seus liderados.

Apontar o caminho correto e tomar decisões valiosas é que devem servir como inspiração. Mas enquanto o presidente está varrendo o chão, caminhos estão sendo negligenciados e decisões importantes adiadas.

Em segundo lugar, a sensação de justiça retratada nada mais é do que um revanchismo contra alguém que ocupa uma posição superior à sua. Ele não está valorizando o seu trabalho fazendo-o ao seu lado. Há formas melhores de ele fazer isto, sem ter que apelar para esta demagogia rasteira.

Este é o tipo de atitude que só fica bem em um pôster motivacional. Desses bem bobinhos que motivam funcionários idem.

2 pensamentos em “demagogia corporativa”

  1. A imagem é caricata sim. No entanto a mensagem que se propõe a transmitir não tem nada de caricatura. Existem profissionais que ocupam posição de decisão que parecem dissociados da empresa ou organização a que estão a frente. Vivem num mundo a parte e se resumem apenas a observar os resultados. Isso não é ser lider – Isso é ser acionista.
    O lider, seja CEO ou supervisor não tem, de fato, que ser a primeira ponta da lança – não tem mesmo que esfregar o chão, mas suas ações e sua presença tem que ser sentida ou percebida como se fizesse parte daquele grupo. A inspiração para os outros não nasce somente de decisões acertadas, a estas é necessário acrescentar como esse acerto é compartilhado e de qual é o interesse por aqueles que, efetivamente, botam a mão na massa.
    Na figura, o lider não precisaria estar “puxando a fila” mas cada um dos que a puxa deveria sentir o lider a seu lado.

  2. Perfeito o comentário de Marcelo Moraes.
    Temos de sentir o “chefe” ao nosso lado e não acima de nós.
    Estou há décadas no mercado de trabalho e o que mais vi foram chefes sem talento para liderar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *