dan ariely e a autoajuda

ArielyEm seu mais recente livro, A mais pura verdade sobre a desonestidade (Campus, 2012), Dan Ariely expõe o lado mentiroso de todos nós – embora nos esforcemos um bocado para ocultá-lo.

Para o autor, a desonestidade permeia nossas vidas de uma forma tão onipresente que, basicamente, nem nos damos mais conta dela. Segundo Ariely, somos pródigos em criar lorotas para nós mesmos, para justificar nossas falhas do dia-a-dia e, ainda assim, continuarmos acreditando que somos pessoas boas e honestas.

Lá pelas tantas, Ariely aborda a autoajuda “e seus primos, o excesso de confiança e o otimismo”. Para ele, o auto engano tem seus prós e contras, a saber:

Continue lendo “dan ariely e a autoajuda”

10% do cérebro = 100% falácia

Um mito sem limites
Um mito sem limites

Se você assistiu Sem Limites também deve ter ficado impressionado com a estória do fracassado escritor Eddie Morra (Bradley Cooper) que, ao tomar uma pílula quase mágica, transforma-se num mago do mercado financeiro, don juan infalível e exímio lutador, dentre outras coisas.

O filme – bacaninha, por sinal – apoia-se numa das mais difundidas falácias sobre o cérebro humano: a de que usamos apenas 10% do seu potencial.

Continue lendo “10% do cérebro = 100% falácia”

pé quente*

Costumo insistir que muito do que se fala e escreve sobre autoajuda é completamente inútil, não serve para nada. Mas nem tudo. Algumas coisas, além de não trazerem benefícios, ainda causam sérios prejuízos.

Um dos motivos é o fato de você achar que a sua vida vai melhorar só por ter lido um livreco cheio de frases de efeito. Você fica esperando seus problemas se resolverem sozinhos – porque, segundo a autoajuda, basta acreditar – e eles só pioram.

Mas há algumas dicas que ajudam. Ajudam a piorar o cenário bem mais rápido. Veja o caso dos participantes de um seminário de Tony Robbins, no mês passado, em San Jose, Califórnia. Eles chegaram ao evento acompanhados de seus problemas e, horas depois, saíram com queimaduras de segundo e terceiro graus. Além dos problemas que já tinham.

Continue lendo “pé quente*”

tudo dá certo no final?

Uma das frases mais repetidas nos manuais de autoajuda é:

TUDO DÁ CERTO NO FINAL. SE NÃO DEU CERTO,
É PORQUE AINDA NÃO CHEGOU NO FINAL.

A sentença representa um conselho de valor inestimável e de enorme utilidade – desde que você seja imortal.

Continue lendo “tudo dá certo no final?”

facebook: esse prodígio da autoajuda

O Facebook transformou-se num enorme palanque de autoajuda. Pôr-do-sol, arco-íris, crianças brincando e bichinhos fofinhos são os panos de fundo de edificantes mensagens motivacionais.

Vamos dar uma olhadinha em algumas?

Continue lendo “facebook: esse prodígio da autoajuda”

regressão à média

Uma das minhas grandes críticas à autoajuda é o fato de os livros fazerem elogios desmedidos ao leitor, sem que o autor jamais tenha visto quem é que compra o livro. Embora estes elogios sejam vazios e desprovidos de qualquer significado, há alguns argumentos em defesa desta prática.

Um deles diz respeito à sua capacidade de motivar as pessoas e fazer com que elas busquem seus objetivos com maior afinco. O tema já foi exaustivamente estudado em alguns dos mais importantes Experimentos em Psicologia* já realizados.

Skinner, por exemplo, explora o reforço positivo (elogios e recompensas) no condicionamento do comportamento.

Continue lendo “regressão à média”

autoestima e realidade

Livros de autoajuda vendem aos milhões, ao passo que casos de sucesso* são bem menos frequentes. Este simples descasamento já representa, por si só, um indício de que há algo errado nesta história.

Por que você dá ouvidos a uma fórmula que, visivelmente, não funciona? Afinal de contas, se todos os seus amigos já leram esses livros – e ninguém mudou de vida por causa disso – por que você acha que logo com você será diferente?

Uma das explicações é que temos a tendência de nos avaliar sob uma lente mais positiva do que a realidade aconselharia. Nossa autoestima sugere que somos mais espertos, mais bonitos e mais habilidosos.

Continue lendo “autoestima e realidade”

por que isso não dá certo?

A fórmula consagrada da autoajuda diz, basicamente, que o destino de todo mundo é ser um estrondoso sucesso folheado a ouro. Nenhum livro de autoajuda diz para você se contentar com o que tem, nem que você já alcançou mais do que merecia. Isto é bem óbvio, até.

Segundo estes manuais, a única coisa que você precisa para se dar bem na vida e ter tudo o que sempre sonhou é querer se dar bem na vida. Afinal, este foi o motivo pelo qual você comprou o livro em primeiro lugar, não foi?

Continue lendo “por que isso não dá certo?”

sonhos que ajudam e atrapalham

Mesmo os que não gostam de autoajuda concordam que nesta corrente de pensamento há, ao menos, uma saudável dose de otimismo. Tendo a concordar com isto, desde que o otimismo não se transforme numa histeria coletiva, em que todo mundo acha que vai realizar seus mais selvagens sonhos.

Sonhos podem ser poderosas ferramentas motivacionais, ao colocar um objetivo à nossa frente para nos dar ânimo para seguir adiante.

Seja um carro novo, um emprego melhor ou uma casa maior, ter uma meta significa quantificar seus desejos e determinar um norte para seus esforços. Mas seus sonhos precisam, ainda assim, ter uma boa dose de realidade.

Continue lendo “sonhos que ajudam e atrapalham”

o que é autoatrapalha?

O autoatrapalha foi uma ideia que surgiu no meu outro blog, o Não Posso Evitar…, numa das minhas inúmeras críticas à autoajuda.

A autoajuda é uma doutrina que prega que o nosso destino está em nossas mãos, que o sucesso é uma questão de vontade, que a felicidade reside em você mesmo.

Não discuto nada disso, porque realmente acredito que somos os atores principais de nossas histórias individuais. Enquanto enredo, a autoajuda está perfeita. O problema, meus caros, está nos atores. Em mim e em você.

Continue lendo “o que é autoatrapalha?”