dívidas e autoestima

DívidasPeço desculpas antecipadas pela esdrúxula escolha da foto ao lado, mas ela ilustra a matéria que será comentada a seguir e, de certa forma, já antecipa a trapalhada que está por vir.

A pisada na bola vem da Superinteressante, mais precisamente do artigo Dívidas aumentam a autoestima. Um título destes num país que vive uma desenfreada farra de crédito é, no mínimo, irresponsável. Além, é claro, do fato de estar bastante equivocado.

Continue lendo “dívidas e autoestima”

dan ariely e a autoajuda

ArielyEm seu mais recente livro, A mais pura verdade sobre a desonestidade (Campus, 2012), Dan Ariely expõe o lado mentiroso de todos nós – embora nos esforcemos um bocado para ocultá-lo.

Para o autor, a desonestidade permeia nossas vidas de uma forma tão onipresente que, basicamente, nem nos damos mais conta dela. Segundo Ariely, somos pródigos em criar lorotas para nós mesmos, para justificar nossas falhas do dia-a-dia e, ainda assim, continuarmos acreditando que somos pessoas boas e honestas.

Lá pelas tantas, Ariely aborda a autoajuda “e seus primos, o excesso de confiança e o otimismo”. Para ele, o auto engano tem seus prós e contras, a saber:

Continue lendo “dan ariely e a autoajuda”

10% do cérebro = 100% falácia

Um mito sem limites
Um mito sem limites

Se você assistiu Sem Limites também deve ter ficado impressionado com a estória do fracassado escritor Eddie Morra (Bradley Cooper) que, ao tomar uma pílula quase mágica, transforma-se num mago do mercado financeiro, don juan infalível e exímio lutador, dentre outras coisas.

O filme – bacaninha, por sinal – apoia-se numa das mais difundidas falácias sobre o cérebro humano: a de que usamos apenas 10% do seu potencial.

Continue lendo “10% do cérebro = 100% falácia”

autoestima e realidade

Livros de autoajuda vendem aos milhões, ao passo que casos de sucesso* são bem menos frequentes. Este simples descasamento já representa, por si só, um indício de que há algo errado nesta história.

Por que você dá ouvidos a uma fórmula que, visivelmente, não funciona? Afinal de contas, se todos os seus amigos já leram esses livros – e ninguém mudou de vida por causa disso – por que você acha que logo com você será diferente?

Uma das explicações é que temos a tendência de nos avaliar sob uma lente mais positiva do que a realidade aconselharia. Nossa autoestima sugere que somos mais espertos, mais bonitos e mais habilidosos.

Continue lendo “autoestima e realidade”