murphy e a autoajuda

Puxa, ele morreu. Que azar...
Puxa, ele morreu. Que azar…

“Se algo pode dar errado, dará”, diz a fatalista Lei de Murphy. A sentença, normalmente proferida depois de um revés, esconde duas outras lições que teimamos em não aprender:

“Se algo não pode dar errado, não dará”. Embora óbvia, a frase lembra que para alguma coisa dar errada é preciso que suas causas estejam a postos, na hora certa. Se não estiverem, tudo correrá bem.

E por qual destas causas – que resultaram no problema – você é diretamente responsável? Qual delas aconteceu por falha sua, ou mesmo negligência? Ora, melhor botar a culpa no Murphy, não é?

“Se algo pode dar errado, é muito mais provável que não dê”.  Quando você chega no trabalho, vindo de casa, não fica se repetindo que o carro pegou quando você virou a chave, que o pneu não furou, que o motoboy não arrancou o seu retrovisor e que você não bateu o carro. Porque tudo isto não acontece todo dia – embora pudesse ter acontecido. Tudo no mesmo dia.

Quando algum evento nos pega de surpresa, há grandes chances de ele ser aleatório, isto é, acontecer por acaso. Se você acha que há nuvens negras ao seu redor, ou que há uma conspiração dos astros para lhe prejudicar, aqui vai uma revelação: o universo não está contra você. Nem a favor. Na verdade ele não sabe que você existe. E se soubesse, não faria diferença alguma.

A maioria das coisas tem uma explicação. Eu diria, até, que todas têm. Sua torrada, por exemplo, sempre cai com a manteiga para baixo por uma razão muito simples: Física. Quando a torrada começa a cair, ela vai girando e, pelo fato de as mesas não serem muito altas, não dá tempo de a torrada dar um giro completo em torno do seu eixo. No máximo, ela dá meio giro. Logo, aterrisa com a manteiga para baixo. Mas quem deixou a torrada cair foi você, não o Murphy.

Tudo o que acontece na sua vida é culpa sua, de terceiros, ou do acaso. Não há uma quarta opção. Murphy é apenas um bode expiatório.

Já a autoajuda diz exatamente o oposto: “Se algo pode dar errado, dará certo”. Mesmo que você não faça nada. Pode sentar no meio fio e esperar. O universo – que, lembre-se, não sabe que você existe – está conspirando a seu favor. Exceto a torrada que, desavisada, continua caindo com a manteiga para baixo.

2 pensamentos em “murphy e a autoajuda”

  1. Esta foi muito boa mesmo! Nunca tinha parado para pensar na Lei de Murphy sob esta ótica. Realmente não adianta ficar se lamentando pelo leite derramado.

  2. lol
    Fiquei confusa. Qual é mesmo o seu conceito de autoajuda?
    Enfim… “O único modo de se tornar rico com um livro de auto-ajuda é escrever um”. [God is My Broker]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *